Inovar (de verdade) nunca foi tão urgente! - B-LAB | Learning Space

Inovar (de verdade) nunca foi tão urgente!

Inovar (de verdade) nunca foi tão urgente!

Por: Adriano Teixeira

Em 1971 o economista alemão Klaus Martin Schwab criava o Simpósio Europeu de Gestão voltado especificamente para os países daquele continente. Entretanto, ele é mais conhecido pela criação do Fórum Econômico Mundial em 1987. O Fórum reúne as principais lideranças políticas e empresariais do mundo e tem ditado assertivamente muitas tendências de futuro para todo o planeta.

Na linha do tempo dos Fóruns, importantes textos foram gerados. Em 2016, Schwab lançou o livro A Quarta Revolução Industrial que tratava, dentre outros argumentos, de tecnologias que, ao fundir o mundo físico, digital e biológico, transformam profunda e irreversivelmente o mundo. No centro desta revolução está a Inteligência Artificial que, alavancada na Lei de Moore, passa a ser uma realidade cotidiana mesmo sem sabermos.

A Lei de Moore de 1965 apontava que a cada 24 meses o poder de processamento dos computadores dobraria pelo mesmo preço e tamanho. Atualmente tal crescimento exponencial se efetiva a cada 18 meses fazendo com que os maiores supercomputadores do mundo processem a uma velocidade de quatrilhões de operações por segundo. Assim, é possível compreender os motivos pelos quais muitas atividades até então realizadas exclusivamente por seres humanos passam a ser executadas – e com vantagens – por algoritmos.

Pesquisa recente realizada pela Universidade de Brasília, aponta que 30 milhões de empregos serão substituídos por robôs inteligentes até 2026. Na mesma linha, estima-se que 85% das profissões existentes em 2030 ainda não existem em 2019, previsão do relatório Futuro das Profissões do Fórum Econômico Mundial publicado em 2018. Somada a esta previsão está a constatação de que muitas das atividades hoje executadas exclusivamente por seres humanos em um curto espaço de tempo serão feitas por máquinas.

Tal situação acaba por levantar – deveria ao menos – um grupo de questões complexas a serem respondidas urgentemente por cada um de nós. Dentre elas destacam-se: em que medida os negócios estão preparados para esta transformação? Qual deve ser minha curva de aprendizagem para poder transitar livremente por um mundo onde a troca de bits passa a substituir sinapses? Como é possível preparar as futuras gerações para este mundo de profunda simbiose entre seres-humanos e tecnologia inteligente? O que podemos fazer hoje para preparar as futuras gerações para este contexto?

É claro que para perguntas como estas não existem respostas fáceis. Entretanto, tomando emprestada a definição de inovação de Sílvio Meira, Cientista da Computação e fundador do Porto Digital, considerado o maior Parque Tecnológico do país: Inovação é a execução imperfeita do desconhecido. Desta forma, é preciso implementar hoje ações para o futuro onde os efeitos e a inserção de tecnologias inteligentes é crescente e “inevitável”, título do livro imperdível de Kevin Kelly!

Dentre estas ações, sem dúvida alguma, está a criação de oportunidades e espaços onde as futuras gerações possam desenvolver hoje habilidades e competências em que as máquinas inteligentes têm extrema dificuldade: pensamento crítico, criatividade e resolução de problemas. Talvez esteja aí o caminho para que possamos cumprir nossa missão humana: impactar positivamente o mundo em que vivemos. Pensa nisto….

ÚLTIMAS DO

BLOG

Sete razões que explicam o sucesso da Finlândia na educação
+
Sete razões que explicam o sucesso da Finlândia na educação

Por: Natália Tomich Paiva Miranda e Verônica Paludo Bressan

No último mês de junho , estivemos juntas com outros 15 professores brasileiros participando do programa “21st Century Educators from Finland – VET Teachers for the Future” na Tampere University of Applied Sciences (TAMK), na Finlândia. A formação partiu de uma iniciativa do Consórcio STHEM Brasil, que reúne 50 IES brasileiras com a missão de promover a inovação acadêmica […]

Internet das coisas
+
Internet das coisas

Por: Bruna Breitenbach

Você já imaginou diversos objetos do cotidiano conectados à internet? Saiba que isso já existe e a ideia representa uma série de inovações para um futuro próximo. O termo se chama “Internet das coisas” e o conceito foi criado em 1999 por Kevin Ashton do MIT, e significa na prática a conexão de vários dispositivos […]

Espaços disruptivos
+
Espaços disruptivos

Por: Adriano Teixeira

Disrupção é um termo que tem ganhado destaque nos últimos tempos. Quando o utilizamos queremos remeter à ideia de rompimento, de ruptura com algo que, até então, era feito de uma forma ou funcionava a partir de outras premissas.  Obviamente, ninguém interrompe o fluxo normal e costumeiro de algo se não acredita que é possível […]